LANDR BLOG

Equipamento musicalGravação

Efeitos de áudio: Guia do Iniciante Para Moldar o Seu Som

Efeitos de áudio: Guia do Iniciante Para Moldar o Seu Som

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.

Crie seu rack de efeitos com todo o conhecimento que você precisa.

 Os compositores trabalham com notas, melodias e progressões de acordes para escrever uma música. A caixa de ferramentas do produtor de música é feita de outro tipo de ferramenta criativa: efeitos de áudio.

É claro que os produtores precisam entender a teoria musical. No entanto, os efeitos de áudio são o seu pão e a sua manteiga quando se trata de mixar música. Eles estão no cerne de como os produtores moldam o som e transformam em música. Os efeitos de áudio transformam um mix “mais ou menos” em uma faixa super poderosa.

Seja trabalhando com efeitos analógicos ou efeitos digitais, todos os produtores devem conhecer suas ferramentas de dentro para fora. O problema hoje em dia é que há muito  o que escolher: plugins de efeito para o seu DAW, stompboxes, pedais, processadores multi-efeitos … Escolher os efeitos de áudio corretos para o que você deseja realizar é a chave.

Como evitar se perder em um mar de escolhas? Conheça os conceitos centrais de cada efeito de áudio e você estará melhor equipado para tomar a decisão certa.

  1. Panning
  2. Delay e Eco
  3. Reverb
  4. Coro
  5. Distorção
  6. Equalização (EQ)
  7. Compressão
  8. Tremolo
  9. Flanger e Phaser
  10. Filtros

O Que São Efeitos de Áudio?

Os efeitos de áudio são dispositivos de hardware ou software que manipulam como um sinal de áudio soa. Os efeitos podem ser controlados através de vários parâmetros, incluindo rate, feedback ou drive. Eles são úteis para tocar ao vivo ou como ferramentas de estúdio durante o processo de gravação.

Este artigo aborda os principais efeitos:

  • Efeitos de modulação – coro, Tremolo, Flanger e Phaser
  • Efeitos baseados no tempo – Reverb, Delay e Echo
  • Efeitos de espectro – EQ e Panning
  • Efeitos dinâmicos – Compressão e Distorção
  • Filtro

Até o fim deste artigo você saberá o que são efeitos de áudio, como eles funcionam e como usá-los. Para começar, nós também trazemos TONELADAS de recomendações para plugins VST pagos e gratuitos e pedais audio fx.

Esta não é uma lista exaustiva, é mais como uma lista crescente. Então vamos começar com o básico e continuaremos de lá!

O Que é Panning?

Panning é a distribuição de um sinal de som em um campo estéreo (ou multicanal).

Como o Panning Funciona?

Os humanos têm dois ouvidos. Nosso cérebro processa a diferença de tempo entre nosso ouvido esquerdo e direito. Isso nos dá a capacidade de identificar a localização de um som em um espaço 3D – para a nossa sobrevivência!

Os sistemas de som estéreo evoluíram de um único alto-falante para um conjunto de dois, esquerdo e direito (L-AND-R … entendeu?). Isso nos permitiu passar de sons mono para sons estéreos.

O Panning funciona permitindo transmitir mais ou menos um sinal em cada alto-falante, criando vários efeitos espaciais.

Como Soa o Panning ?

Quando algo é “hard panned” para um lado, você ouve o som vindo apenas desse lado.

Quando algo for panned para o meio, você vai ouvir o som entre os seus alto-falantes no “centro fantasma” (você ouve o som centrado, embora não haja alto-falante no centro).

Toque um som e pegue seu botão de panning. Se você girar gradualmente de um lado para o outro, você ouvirá o som viajar em seu campo estéreo de um lado para o outro. Este é um truque muito usado para efeitos sonoros de um carro passando, por exemplo.

Usos Comuns do Panning

O panning é uma ótima maneira de posicionar artificialmente um som em um lugar específico no seu campo estéreo. Também permite evitar a confusão e o mascaramento na sua mixagem (quando dois sons se cobrem).

O uso de efeitos auto-pan permite que você mova um som no campo estéreo, criando uma sensação de movimento do som entre a esquerda e a direita.

O centro do seu mix geralmente é o mais movimentado. É comum manter os elementos de baixa frequência (bassline, bateria) e elementos principais (vocais) no centro, pois eles dão a base do seu mix.

Outros instrumentos são enviados para algum lugar à direita ou à esquerda. É importante manter um equilíbrio: se você enviar um instrumento ligeiramente para a direita, coloque algo com uma faixa de freqüência semelhante no mesmo local à esquerda.

O hard panning geralmente é evitado, a menos que seja uma escolha criativa. Mas as regras são feitas para serem quebradas, certo?

Leia mais sobre como usar o panning para obter uma mixagem mais ampla.

Plugins e Pedais Panning

O Que é Eco and Delay?

O delay é um efeito de áudio que grava um sinal de áudio para reprodução após um período de tempo definido depois do sinal original. O delay pode ser reproduzido de maneiras diferentes para alcançar sons como ecos que se deterioram ao longo do tempo ou um efeito de duplicação que adiciona novas camadas a uma gravação.

O delay é um dos efeitos mais importantes. Na verdade, é a base para outros efeitos, incluindo coro e reverb. No entanto, a definição atual de delay é normalmente usada para descrever os efeitos de eco mais pronunciados.

Como o  Delay Funciona?

A maioria dos delays funciona ao reproduzir o sinal seco enquanto reproduz o sinal molhado ou “atrasado” logo após o original.

As unidades de delay de fita antigas apresentavam uma cabeça de gravação e uma(s) cabeça(s) de reprodução (também chamadas de tap) a poucos centímetros de distância. O resultado foi um eco do sinal de gravação logo após a reprodução. As unidades de delay com várias taps e configurações de fita acabaram por dar aos artistas a capacidade de reproduzir ecos múltiplos em diferentes intervalos com um maior nível de controle.

As unidades de estado sólido e efeitos digitais mais modernas usam um buffer gravado para emular o efeito de cabeça de reprodução de unidades de delay mais antigas. O sinal recebido é armazenado e reproduzido dependendo dos ajustes nos parâmetros que controlam o efeito de eco.

Como o Delay Soa?

Existem muitas aplicações comuns de delay. Mas há um casal que é mais proeminente do que os outros.

Talvez o exemplo mais emblemático de delay seja o efeito Slapback usado nas gravações de rock do início dos anos 50, principalmente por Sam Phillips e artistas da Sun Records, como Elvis.

O delay Slapback é conseguido reproduzindo o sinal molhado entre 70 a 120 ms após o sinal seco ser reproduzido. O resultado é um rápido efeito de duplicação que enche um arranjo com rápidos e sutis atrasos com uma rápida deterioração.

Usos mais pronunciados de delay foram popularizados por dub e reggae durante os anos 70 e 80. Os efeitos de delay são muito mais prevalentes nesses exemplos, pois os sons são repetidos, ecoados e alimentados de volta para conseguir camadas mais ricas para criar uma sinfonia rítmica de psicodelia.

Efeitos de delay mais pronunciados como estes ainda ressoam em toda a música hoje e dão aos músicos uma paleta completa de possibilidades experimentais. Mesmo o arranjo mais simples pode ser preenchido usando técnicas de delay criativas.

Usos Comuns do Delay

Os usos mais curtos de delay, como slapback ou efeitos de duplicação, são úteis para preencher uma performance, especialmente vocais ou violão.

Os delays demonstrados com múltiplas taps são úteis para criar ritmos mais novos e camadas em uma performance. Delays com múltiplas taps são comuns em dub e techno para criar as linhas sintéticas comuns aos gêneros.

Saiba mais sobre cinco das nossas melhores técnicas de delay.

Plugins e Padais de Delay

O Que é Reverb?

Reverb é a abreviação para reverberação. Reverb acontece diariamente, mas nem sempre percebemos isso.

Quando temos um som, duas coisas acontecem: A) o som direto atinge seus ouvidos B) um monte de outras ondas sonoras reverberam nas superfícies antes de chegarem aos seus ouvidos. Essas outras ondas sonoras chegarão aos seus ouvidos mais tarde e com menos energia (portanto, mais silenciosas).

Reverb é um monte de ecos acontecendo ao mesmo tempo, então você os ouve como um único efeito: reverb.

Existem diferentes tipos de reverb em vários tipos de espaços. Os exemplos mais óbvios de espaços reverberantes são túneis, catedrais, salões e cavernas.

Como Reverb funciona?

O reverb mais facilmente disponível é aquele que se encontra em espaços naturais.

Em equipamentos de música (como pedais e amplificadores), o reverb analógico eletromecânico é criado usando uma placa metálica ou mola que capta ecos e vibrações dentro do tanque e o transforma em sinal com um circuito analógico.

Os reverbs digitais e os plugins de reverb calculam o atraso, nível, resposta de freqüência e algoritmos gerados por múltiplos ecos. Os plugins de reverb fazem milhares de cálculos por segundo, é por isso que muitas vezes eles são muito intensivos em CPU.

Como Soa o Som do Reverb ?

Reverb é o eco, faz as coisas parecerem que estão em um tipo particular de sala. Reverb segura um som e faz com que ele fique por mais um tempo – muitas vezes chamado de reverb tails. Dá uma qualidade espetacular, até solene ao seu sinal (pense um coral em uma grande catedral).

Reverb faz as coisas parecerem mais afastadas no mix se você empurrar um sinal molhado e derrubar um monte do sinal seco original. Ele pode ampliar o mix e fazê-lo parecer maior e mais completo.

Usos Comuns do Reverb?

Use reverb para moldar o som, espaço, tempo e humor de um instrumento ou toda a faixa.

Reverb adiciona plenitude, amplitude e profundidade a um som. Suaviza pequenos soluços e acrescenta sustentação ao seu som.

Leia sobre as 5 melhores dicas de reverb.

Dica: Use reverb de maneira criativa fazendo samples de reverb tails e usando eles como um bloco de sintetizador (video).

 Plugins de Reverb e Pedais de Reverb

O que é  Coro?

Coro é um efeito obtido quando sons semelhantes com pequenas variações na afinação e no tempo se sobrepõem e são ouvidos como um.

Ocorre naturalmente quando várias fontes que fazem um som semelhante se sobrepõem. Pense em um coro da vida real cantando várias partes ao mesmo tempo. Todos se sobrepõem para formar um som distinto. O efeito do coro  faz o mesmo!

Como Coro Funciona?

O coro como efeito eletrônico funciona da seguinte maneira: o processador de áudio de coro (seja um pedal, unidade de efeitos ou plugin) faz cópias do sinal de áudio original e aplica atraso e modulação de passo (usando LFOs) para essas cópias.

Um coro estéreo faz o mesmo, com uma panorâmica adicional nos atrasos e na fase de deslocamento no LFO. Isso faz com que as cópias e modulações adicionadas entrem entre a esquerda e a direita. O efeito será mais completo devido ao movimento no seu campo estéreo.

Como Soa o Coro?

Ele cria um som mais completo e mais grosso que se move sutilmente. Ele adiciona conteúdo harmônico e seu som original e mais forte.

Usos Comuns do Coro

Coro adiciona complexidade e movimento. É também o clássico som dos anos 80!

Um coro estéreo amplia sua imagem estéreo.

Os guitarristas usam isso para fazer seu tom “sonhador” ou engrossar o som do baixo. Também é muito comum como efeito nos sintetizadores, órgãos e vocais.

Por exemplo: Use o coro para engordar o som do seu som monofônico do baixo  sintetizador e faça parecer “mais forte”.

Plugins  de Coro e Pedais de Coro

O Que é Distorção?

A distorção é uma sobrecarga do circuito de áudio que clipa o sinal.Pode soar como algo que você quer ficar longe, mas quando usado corretamente é muito eficaz como uma ferramenta criativa. O bit-crushing é o equivalente digital do lo-fi do efeito de distorção.

Como a Distorção Funciona?

A distorção altera o seu sinal original pressionando o som para se clipar e comprimir. Isso adiciona conteúdo harmônico e colora o som de forma agradável. O Bit-Crushing funciona reduzindo a resolução de um som, especificamente a taxa de amostragem ou a taxa de bits.

Como Soa o Som da Distorção?

Distorção vem em muitos sabores, dependendo de qual tipo e quanto você aplica. Diferentes tipos de circuitos produzirão diferentes tipos de distorção.

Por exemplo: Distorção obtida com tubos geralmente é mais quente e adiciona harmônicos que engrossam o som. A distorção feita com transistores é muitas vezes mais dura e mais dissonante, pois agrega harmônicos ímpares.

Bit-crushing soa crunchy – como na música do videogame.

Para uma análise aprofundada das diferenças entre distorção, overdrive e fuzz, confira nosso profundo guia de distorção.

Usos Comuns da Distorção

A distorção é comumente usada com guitarras elétricas e cada vez mais em sintetizadores. Pode ser alcançado com pedais, unidades de efeitos, rackmounts, VSTs ou às vezes é  incorporado em amplificadores e pré-amplificadores.

A distorção torna seu som mais gordo e completo. Adiciona complexidade e corpo ao seu som.

Plugins e Pedais de Distorção

O Que é Equalização?

A equalização (ou EQ) é o corte ou aumento de uma determinada freqüência (ou faixa de freqüências) no espectro de freqüência.

Os seres humanos podem ouvir frequências de áudio aproximadamente entre 20 e 20 000 Hertz (Hz). Qualquer som que os ouvidos humanos percebem fica em algum lugar nesse espectro de freqüências.

Um Equalizador (EQ) divide esse espectro em seções (chamadas ‘bandas’) que você usa para cortar ou estimular partes do seu som.

Como a Equalização Funciona?

Equalizar é como esculpir: Forma as frequências existentes do seu som. Geralmente não adiciona novas frequências.

Ao cortar ou aumentar certas frequências, o EQ molda o tom e a personalidade do seu som. Equalizar também altera o equilíbrio entre as freqüências que já existem.

O Que a Equalização Faz Com o Som?

O EQ altera a personalidade do seu som de forma muito sutil ou dramática. Cortar alta extremidade fará seu som mais sombrio. Impulsionar o extremo superior o tornará mais brilhante.

O som do EQ vai variar muito dependendo do quanto você usa e em quais freqüências.

Usos Comuns da Equalização

EQ é uma ferramenta chave para uma boa mix. Te dá o poder de esculpir espaço no espectro de frequência para cada um dos seus sons para colocá-los sentados diretamente na mistura.

Sem EQ, sua mix pode soar maçante ou sem clareza devido a certos sons que se encobrem.

EQ é usado para remover elementos indesejáveis de uma gravação. EQ também é uma maneira de aumentar os elementos-chave na sua mix.

Leia sobre abordagens de EQ criativas versus corretivas. Saiba também como o produtor ex-Majical Cloudz e o colaborador de Solange, Matthew Otto, usam o EQ para vocais.

Plugins Equalizadores e Pedais Equalizadores

O Que é Compressão?

A compressão é a redução do alcance dinâmico – a diferença entre as partes mais altas e silenciosas de um sinal de áudio. Quando a compressão é aplicada, as partes mais silenciosas do sinal são aumentadas e as mais altas são atenuadas.

Como a Compressão Funciona?

Compressores reduzem o ganho de seu sinal (‘GR’ significa Gain Reduction em seu compressor DAW).A compressão reduz o alcance dinâmico de um sinal. O alcance dinâmico é a diferença entre as partes mais altas e as mais silenciosas de um sinal.

Compressores diminuem o volume de picos altos – eles equalizam as notas que ficam na mix. Isso permite que você obtenha o ganho de todo o sinal sem clipar.

O Que a Compressão Faz Com o Som?

Idealmente, a compressão soa mais forte e mais apertada. A compressão também permite que você obtenha uma intensidade média mais alta.

O som com muita compressão é mesclado, maçante e ruidoso.

A compressão Sidechain é um som clássico na dance music: parece que está bombeando. Ouça a música Untitled da Lady Starlight para ver um exemplo.

A beleza dos compressores é que cada um deles é único e adicionará uma cor diferente ao seu som. Então conheça bem os seus compressores.

Usos Comuns da Compressão

Então, em geral, usando os compressores direito você terá um som mais polido e com mais pancadas, sem clipagem.

Isso permite que você obtenha mais volume médio total e mantenha os picos sob controle. Ao reduzir o alcance dinâmico de certos sons, ele permite equilibrar os níveis entre os instrumentos em uma mix com mais facilidade.
Leia mais sobre os parâmetros de compressão e sobre como usá-los.

Plugins e Pedais de Compressão

Ei…. visite esse post para saber mais como plugins de compressão gratuitos

O Que é  Tremolo?

Tremolo é um efeito de modulação criado pela variação da amplitude (volume) de um sinal. Dá um efeito tremendo – a palavra “tremolo” é italiana e significa tremer.

Muitas vezes, é confundido com o vibrato, que é uma modulação do pitch. Muitas guitarras Fender têm um chamado “braço de tremolo”. Muitas vezes, isso é tecnicamente um braço vibrato porque ele varia o pitch, não a amplitude.

Como Tremolo Funciona?

Os efeitos do tremolo eletrônico são obtidos com um LFO modulando a amplitude para cima e para baixo em velocidades variadas.Você poderá controlar o quão rápida a modulação acontece com um botão de “taxa”, e quão dramática será a mudança de volume com um botão de “profundidade”.

Como Soa o Tremolo?

Parece pulsante e “aquoso”. Pode soar levemente estremecido (aumentando ou diminuindo o som se você estiver usando um triângulo ou um LFO do seno) ou alternando entre ligar e desligar (quando o LFO é uma onda quadrada), dependendo de quão difícil você empurre os parâmetros.

Usos Comuns do Tremolo

Tremolo te dá um senso de movimento, tensão ou drama. Faz o som soar mais rítmico, percussivo ou gagueante. Também é usado para criar um efeito pulsante.

Em termos de instrumentos acústicos, o tremolo é alcançado com instrumentos de cordas curvadas, tocando muito rápido para frente e para trás com o arco (ou pick, em uma guitarra).

Você também vai encontrar o botão tremolo em muitos amplificadores, caixas de efeitos e teclados.

Plugins Tremolo

O Que é Flanging e Phasing?

Flanging e Phasing são efeitos baseados em modulação. Isso significa que seu sinal original é modulado por outro, geralmente um Oscilador de baixa freqüência (LFO).

Como o Flanging e o Phasing Funcionam?

Flanging, embora seja sonicamente similar ao Phasing, é funcionalmente mais próximo ao coro. Ele usa um curto delay (0.1ms – ~ 10ms) e modula isso contra o sinal seco com um LFO. Se você continuasse estendendo o tempo de atraso em um flanger, você acabaria com um coro.

Um phaser usa filtros All-Pass em vez de uma linha de atraso, mas é um conceito e som bastante similar ao flanger. Os filtros criam entalhes quando mixados de volta com o sinal seco e um LFO varre-os através da faixa de freqüência. Quanto mais “estágios” um phaser tem mais entalhes e, portanto, mais intenso será o som.

Ambos os flangers e os phasers têm a capacidade de enviar o sinal processado para a entrada, o que reforça e intensifica ainda mais o efeito. Em configurações extremas, você pode obter feedback e ruídos incontrolados “uivando” (imagine uma baleia jubarte cantando através de uma pilha Marshall).

Como Soam o Flanging e o Phasing ?

Flangers e phasers são reconhecíveis por seus “efeitos swooshing”. Esses efeitos muitas vezes têm uma qualidade aquosa para eles em velocidades mais altas.

Phasing geralmente é mais sutil do que o flanging. Ambos soam geralmente melhor se usado com cautela – mas experimentar é o segredo!

Usos Comuns do Flanging e do Phasing?

Flanging e phasing são comumente usados em guitarras e sintetizadores. Você vai ouvir centenas de registros, especialmente funk e rock dos anos 70 e mais.

Lendas das guitarras como o David Gilmour, de Pink Floyd, adoravam o phasing – que você ouvirá em faixas como “Shine On You Crazy Diamond” ou “Have A Cigar“.

Um dos muitos exemplos fantásticos de flanger é a linha de baixo de Anthony Jackson em um clássico funk “For The Love Of Money” de The O’Jays.

 Plugins e Pedais Flanger

Plugins e Pedais Phaser

O Que é Um Filtro de Áudio?

Um filtro de áudio atenua (desativa) um conjunto de freqüências acima ou abaixo de um determinado limite – chamado de “freqüência de corte”. Eles são freqüentemente encontrados dentro de EQs ou como plugins autônomos (Pense o efeito Auto Filter nativo do Ableton Live).

Como os Filtros de Áudio Funcionam?

Os tipos de filtros mais comuns são os filtros de passagem alta (HPF), os filtros de passagem baixa (LPF) e os filtros de passagem de banda (BPF). Estes são definidos por sua forma e “declive”.

Os LPFs deixam passar todas as freqüências abaixo da freqüência de corte e atenuam aqueles acima.

Os HPFs permitem todas as freqüências acima da freqüência de corte e atenuam os abaixo.

Os BPFs permitem todas as frequências na banda determinada e atenuam tudo abaixo e acima.

A inclinação ou agressividade de um filtro é determinada pela sua inclinação. Quanto menor (ou mais suave) a inclinação, menos agressivamente ele atenua as frequências abaixo ou acima da sua frequência de corte. Uma inclinação de 6dB por oitava é suave, enquanto uma 48dB por oitava terá um efeito muito mais audível.

A maioria dos filtros também possui um controle de “Ressonância”, que exagera a banda de freqüência ao redor do ponto de corte. Em configurações extremas, alguns filtros se auto-oscilam e podem ser reproduzidos como um oscilador adicional.

Como os Filtros de Áudio Soam?

Os filtros podem ser muito sutis ou muito dramáticos, dependendo de quanto você está cortando e de quão íngreme é a sua inclinação. Eles colorem seu som, tornando-o mais sombrio (com um LPF) ou mais brilhante (com um HPF).

Usos Comuns de Filtros de Álbum

Os filtros são usados tanto por razões corretivas quanto criativas. Eles são uma ferramenta chave no arsenal do produtor para abrir um espaço em um mix para certos instrumentos e faixas de freqüência.

Por exemplo, quando você está em camadas de bateria, os filtros irão ajudá-lo a moldar o tom de seus chutes, snares, etc.

Muitos VSTs modernos permitem curvas completamente únicas para suas formas de filtro.
Eles também são o pão e a manteiga do DJ para criar emocionantes build-ups e transições. É uma aplicação criativa de filtragem que também funciona como ferramenta de produção.

Plugins e Pedais de Filtro

Flex Your Audio FX

Os efeitos de áudio são o arsenal do produtor para transformar um mix bruto em uma obra-prima musical. Uma boa cadeia de efeitos é a chave para criar seu som exclusivo.

Aprender como os efeitos funcionam e como melhor usá-los é a chave para navegar no mar de plugins e stompboxes que estão lá hoje.

Se você conhece o básico, você poderá escolher suas armas e tirar o máximo proveito delas.

Então se jogue, e flexione seu FX!

 

 

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! <a href="https://www.landr.com/pt/preco/?utm_campaign=acquisition_platform_en_us_studio-generic-new-blog-ad&amp;utm_medium=organic_post&amp;utm_source=blog&amp;utm_content=left-hand-generic-ad&amp;utm_term=general">Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.</a>

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.

Monique Brandão

Monique é profissional de marketing, ama música, é viciada em redes sociais e mora no Canadá. No seu tempo livre ela gosta de estar com os amigos e em contato com a natureza, especialmente durante o verão. Contribuidora de Conteúdo da LANDR.

@Monique Brandão

Receba guias de equipamento, dicas de mixagem, os melhores plug-ins gratuitos e muito mais na sua caixa de entrada todas as semanas.

As últimas novidades da LANDR