LANDR BLOG

Equipamento musical

Plugins vs. Hardware: Por que o Software é Melhor do que Você Pensa

Plugins vs. Hardware: Por que o Software é Melhor do que Você Pensa

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.

Ah, plugins versus hardware… Os frequentadores de fóruns têm levado esse debate acalorado desde o início da era digital.

Essa é uma grande questão para produtores intermediários que tentam obter o melhor desempenho possível de suas configurações. O hardware vale o investimento?

A resposta? É complicado.

Eu nunca esquecerei a primeira vez que fiz uma sessão em um estúdio de hardware. Foi grande a minha empolgação por finalmente colocar as mãos nos faders reais do console.

Mas foi uma experiência completamente reveladora.

Comecei a apreciar as vantagens do fluxo de trabalho digital quando enfrentei os surpreendentes desafios que o trabalho “fora da caixa” apresenta.

Aqui estão os principais 6 motivos pelos quais os plugins podem superar o hardware no estúdio.

1. O ruído analógico é real

No auge da era do estúdio, os engenheiros seniores tinham uma equipe de assistentes e técnicos ajudando-os a fazer o seu trabalho acontecer.

Em um ocupado estúdio profissional, um único canal de console abaixando significava que a linha de fundo poderia sofrer.

Hoje, os consoles que você vê na maioria dos estúdios de hardware não chegam nem perto do nível de atenção que a equipe de manutenção do local podia oferecer na era analógica.

Isso significa que essas máquinas envelhecidas, complexas e famintas por energia estão freqüentemente em estados questionáveis de reparo. Um console (ou qualquer equipamento analógico desenvolvido para isso) pode introduzir todos os tipos de recursos em uma mix.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2019/02/Plugins_are_better_1-analog_noise.jpg

Cada exportação analógica é em tempo real. Mesmo quando a coisa mais detalhada vai mal você vai ter que começar de novo.

Cada exportação analógica é em tempo real. Mesmo quando a coisa mais detalhada vai mal você vai ter que começar de novo.

Se você está trabalhando com um console que não possui automação (ou, mais provavelmente, a automação está irremediavelmente quebrada – faders voadores são um dos primeiros elementos a falhar em muitas placas clássicas) você terá que capturar o desempenho de automação corretamente também.

E isso pode ser incrivelmente difícil de se repetir!

2. Reajustes são um pesadelo

Qualquer um que já tenha reajustado uma mix analógica para um cliente sabe do que estou falando.

A idéia de ter que gastar uma hora ou mais redefinindo cada botão e fader na às onze da noite apenas para reduzir o hi hat do microfone em 1,5 dB porque o cliente está pirando antes de ir para o mastering é assustador.

Lembra daquela equipe de assistentes que mencionei? Engenheiros seniores quase nunca precisa se lembrar de suas próprias sessões.

A equipe júnior cuida das tarefas básicas para que os clientes não gastem preciosas horas de trabalho do engenheiro chefe. Mas os estúdios analógicos de hoje raramente têm esse luxo…

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2019/02/Plugins_are_better_2-total_recall.jpg

Se você quiser fazer um reajuste em uma mix que foi devolvida, terá que voltar para as anotações à papel e caneta sobre sessão para assim acessá-la novamente no console. Você escreveu todas as suas configurações, certo?

Voltar para uma mixagem já totalmente concebida pode levar muito tempo. Mas a parte mais dolorosa?

Você nunca conseguirá reaver 100% do seu resultado anterior. Notas de sessão super detalhadas podem ajudar, mas você não pode voltar no tempo e ter exatamente o mesmo som de uma mix anterior – frustrante!

O mesmo vale para outros tipos de fluxos de trabalho analógicos. No analógico, sons e configurações acontecem no momento. Cuidado com o que você procura!

3. O hardware é mais difícil de usar do que você imagina

Atrás de cada rack de hardware de estúdio lindamente organizado, há uma grande confusão de cabos.

Esses cabos terminam em um patchbay, onde você precisará fazer cuidadosamente suas conexões com cabos de patchbay especiais.

Encaminhar as coisas adequadamente na sua DAW, inserir o outboard certo nos canais corretos e encontrar os pontos de correção no patchbay pode adicionar horas ao seu trabalho.

Encaminhar as coisas adequadamente na sua DAW, inserir o outboard certo nos canais corretos e encontrar os pontos de correção no patchbay pode adicionar horas ao seu trabalho.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2019/02/Plugins_are_better_4-hardware.jpg

Esse esforço é triplicado se você estiver inserindo hardware em faixas e busses em um console antigo.

E, mesmo assim, se você precisar alterar uma configuração depois de iconcluir, precisará reajustar novamente!!

Essas desvantagens podem não ser tão ruins se o seu estúdio tiver apenas um único hardware, mas nesse caso você provavelmente está lidando com outro problema…

4. O seu outboard é tão bom quanto o seu D/A

Realizar o processamento de hardware ao longo do caminho é um negócio arriscado.

A menos que você tenha muita experiência e esteja extremamente confiante no seu equipamento, gastar um pouco mais de dB com compressão ou EQ pode transformar seu processo de mixagem em um pesadelo.

Afinal, você sempre pode adicionar processamento durante a mix, mas não pode retirá-lo se ele já estiver inserido na faixa que você gravou.

Isso significa que a maioria dos fluxos de trabalho de equipamentos externos inclui uma viagem extra de ida e volta da conversão AD DA para fazer a interface com o hardware.

Nos múltiplos passes de conversão são onde sua interface de áudio realmente começa a causar impacto no produto final de sua mixagem.

Nos múltiplos passes de conversão são onde sua interface de áudio realmente começa a causar impacto no produto final de sua mixagem.

A conversão AD/DA de alta qualidade é quase invisível, mesmo com várias viagens de ida e volta dentro e fora do domínio analógico.

Mas interfaces de menor qualidade podem introduzir um aspecto que resulta em dinâmica reduzida e resposta de freqüência em cada estágio da conversão.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2019/02/Plugins_are_better_3-converters.jpg

Em muitos casos, um plug-in de boa qualidade pode soar melhor do que o hardware de nível médio após etapas adicionais de conversão de baixa qualidade.
Você pode se surpreender!

5. Sim, os plugins de primeira linha são bons o bastante

O processamento digital ganhou uma má reputação no início da era DAW por um motivo.

As primeiras gerações de plugins sofreram os mesmos problemas que afetaram as primeiras gravações digitais.

Esses sons e registros não envelheceram bem. Mas os plugins percorreram um caminho extremamente longo.

Os plugins são agora uma parte extremamente importante do mercado de equipamentos. Os fabricantes de plug-in têm arrecadado enormes quantias e reunido engenheiros talentosos diante dos problemas de criação de ferramentas de áudio digital ótima sonoridade há décadas.

Os fabricantes de plug-in têm arrecadado enormes quantias e reunido engenheiros talentosos diante dos problemas de criação de ferramentas de áudio digital ótima sonoridade há décadas.

Claro, nem todos os plugins são criados iguais.
Mas os plugins de qualidade dos principais fabricantes são mais que equivalentes aos analógicos.

A tecnologia de modelagem de hardware atual é incrivelmente sofisticada. Os projetistas de plug-ins se esforçam enormemente para reproduzir as não-linearidades desejáveis ​​dos circuitos analógicos.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2019/02/Plugins_are_better_5-top_tier_plugins.jpg

Por outro lado, a fabricação de engrenagens de hardware também ficou mais refinada.

Tolerâncias modernas de componentes e procedimentos de controle de qualidade garantem que a fabricação de hardware seja mais consistente do que nunca.

Isso torna muito mais provável que uma emulação se comporte quase exatamente como qualquer outra unidade que você possa comprar na prateleira.

Para um equipamento moderno que nunca saiu de produção, a modelagem completa é eficiente o suficiente para que a diferença entre o hardware e uma emulação de ponta não faça ou quebre seu mix. Mas isso não impede que os designers tentem aproximar-se cada vez mais da realidade!

6. Conveniência não é apenas facilitar as coisas

De volta à minha primeira sessão de rastreamento do console.

Por alguma razão, o headphone do estúdio o monitoramento não estava configurado adequadamente e a única maneira de obter mixagens de fone de ouvido era mexendo nos auxilios pré-fader no console.

Não só estava muito longe de um sinal de fone de ouvido “correto”, mas era colorido o suficiente para ser potencialmente enganoso.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2019/02/Plugins_are_better_6-convenience.jpg

Meu ponto é que “conveniência” nem sempre significa “facilidade de uso” – às vezes, pode significar apenas ter necessidades básicas, como fones de ouvido e misturas de sugestões disponíveis e fáceis de acessar.

Parece que há muita reclamação sobre como o digital está tornando os engenheiros mais preguiçosos e menos disciplinados.

Parece que há muita reclamação sobre como o digital está tornando os engenheiros mais preguiçosos e menos disciplinados.

Mas o outro lado é que o digital resolve de maneira muito eficaz alguns dos problemas básicos que os engenheiros enfrentam. Por que não aproveitar seus pontos fortes?

Plugins vs. Hardware

O debate entre plugins e hardware provavelmente continuará no futuro previsível.

Há tantas opiniões circulando em ambos os lados que parece improvável que ele seja totalmente resolvido.

Cada lado tem seus méritos e argumentos válidos. Sua decisão de usar um ou outro depende mais da preferência pessoal do que de quaisquer benefícios objetivos.

Mas antes de escrever seus plugins como brinquedos digitais baratos que nunca produzirão um registro de som decente, dê uma boa olhada nos problemas do analógico – a grama nem sempre é mais verde do outro lado!

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! <a href="https://www.landr.com/pt/preco/?utm_campaign=acquisition_platform_en_us_studio-generic-new-blog-ad&amp;utm_medium=organic_post&amp;utm_source=blog&amp;utm_content=left-hand-generic-ad&amp;utm_term=general">Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.</a>

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.

Gabriel Valente

Gabriel é um músico apaixonado pelas paisagens sonoras do Brasil. Recém radicado em Montreal, ama pedalar pelas ruas da cidade e acredita na força do som e dos encontros.

@Gabriel Valente

Receba guias de equipamento, dicas de mixagem, os melhores plug-ins gratuitos e muito mais na sua caixa de entrada todas as semanas.

As últimas novidades da LANDR