LANDR BLOG

Mixagem e masterização

O que é dither e como usá-lo?

O que é dither e como usá-lo?

Nosso poderoso mecanismo de masterização baseado em IA ouve a sua música e oferece música cristalina com qualidade de estúdio que está pronta para o lançamento. Domine uma faixa. Domine uma faixa

Existem certos tópicos que nunca falham em manter os engenheiros inquietos. Tópicos como intensidade, compressão, masterização e…

Dithering.

Dithering pode ser um assunto assustador – ele tem muito a ver com os fundamentos do áudio digital.

Mas aplicar o dither corretamente é incrivelmente simples e fácil. Uma vez que você sabe o que você está fazendo e porque você está fazendo, você nunca vai ter que se preocupar sobre quando usar o dither.

O que é o dither?

Dither é o ruído de baixo nível que é adicionado no seu áudio para reduzir erros na mudança de intensidade de bit.

Eu sei o que você está pensando, “como a adição de ruído vai fazer minhas gravações soarem melhor? O ruído não é uma coisa ruim?”

Dither não é somente um termo relacionado ao áudio – e o ruído que ele adiciona é na verdade uma variação aleatória.

A palavra dither significa “vibração nervosa.” Faz referência à maneira pela qual ela foi descoberta.

Engenheiros descobriram que computadores mecânicos de aeronaves tinha uma melhor performance durante o vôo do que em terra firme.

A vibração do motor do avião ajudou a aumentar a precisão de partes móveis emperradas nas máquinas.

O ruído adicionado pelo dithering às suas faixas funciona da mesma maneira. Ele ajuda a aumentar a precisão dos seus arquivos de áudio digital.

Quando usar o dither?

Antes de aprofundarmos nos detalhes, vamos começar com as melhores práticas.

Siga essas três orientações e o dithering não será um problema:

  1. Não mude tipos de arquivos a não ser que você realmente precise. Se você registrou a 24-bit/44.1kHz, mantenha-se aí! Se por alguma razão você precisar reduzir o tamanha, use o dither ao durante a conversão.
  2. Deixe para usar o dither quando os seus arquivos estiverem prontos para serem exportados do seu DAW. Use-o somente uma vez – durante a exportação.
  3. Se você estiver enviando seus arquivos para a masterização, deixe o dithering de fora se você puder exportar arquivos em 32-bit. Nesse caso, o processo de masterização vai se encarregar do dither para você. Quando você exportar qualquer coisa que não esteja em 32-bit você tem que utilizar o dither. Isso também vale para quando você concebe arquivos que possuem a mesma bit-depth do que os que você gravou.

É isso! Se você nunca mais quiser pensar sobre dither outra vez você pode parar por aqui e voltar para o seu projeto mais recente. Mas se você ainda estiver confuso ou quiser saber por quê essas regras devem ser seguidas, siga em frente.

Eu vou abordar tudo o que você sempre quis saber sobre dither mas estava com medo de perguntar.

Quando você seleciona o bit depth você na verdade está escolhendo a precisão dos arquivos que você criou durante a gravação.

Bit-depth

Vamos começar do ínicio. O assunto é áudio digital!

Os arquivos criados pelo seu computador quando você grava são representações digitais dos sinais analógicos criados por tudo o que você pluga na sua interface de áudio.

Antes de começar a gravar você deve escolher uma sample rate e bit-depth para o seu projeto. Quando você seleciona o bit depth você na verdade está escolhendo a precisão dos arquivos que você criou durante a gravação.

Cada bit adicional aumenta a resolução que o seu ADC (analog-to-digital converter) possui para medir o nível de um sinal de entrada.

É por isso que recomendamos que você registre arquivos em 24-bit para a masterização LANDR. Essa é a melhor opção disponível na maioria dos DAWs.

Reduzindo os efeitos do erro

Um vez que os arquivos já se encontram no seu DAW, reduzir a resolução pode não ser fácil. Reduzir a bit depth pode levar à um erro digital se você não tiver cuidado. Mas você vai ter que fazer isso em algum ponto do processo. Eis o porquê…

O seu DAW faz os cálculos que alimenta seus faders, busses e plugins em uma resolução maior do que a dos seus arquivos de áudio.

O seu DAW faz os cálculos que alimenta seus faders, busses e plugins em uma resolução maior do que a dos seus arquivos de áudio.

Isso significa que, a não ser que você exporte seus arquivos em 32-bit, você estará reduzindo a resolução das suas faixas quando ele deixar o seu DAW – e introduzindo um erro!

Isso significa que, a não ser que você exporte seus arquivos em 32-bit, você estará reduzindo a resolução das suas faixas quando ele deixar o seu DAW e introduzindo um erro!

Erros nos seus arquivos digitais trazem sérias consequências no modo como suas faixas soam. Os efeitos podem ir de ruído à distorção.

Essa distorção só ocorre na parte mais baixa do dynamic range do seu sistema, mas um dithering correto pode consertá-la!

Visualizando o erro

Para compreender o que quero dizer, vamos ver como o erro aparece em uma imagem, que é somente um outro tipo de áudio digital.

new old dithering3__1428355970_24.37.204.38

  • A imagem à esquerda é a original. É como o arquivo que você registrou no seu DAW em plena resolução.
  • Essa do meio é a redução dramática do bit depth dos arquivos originais. Fica difícil reconhecer a imagem.
  • Essa à direita foi reduzida na mesma quantidade, mas dessa vez o dither foi aplicado.

Parece bem melhor! Mas como o dither faz com que um imagem em baixa resolução pareça melhor?

Quando reduzimos a resolução, muita informação contida nos detalhes é jogada fora.

Como essa informação é descartada é o que faz o dithering ser importante. Manter o erros no menor nível possível tem um grande impacto.

Vamos observar o que acontece exatamente quando uma redução de bit-depth descarta informação dos seus arquivos de áudio.

Arredondando e aparando

Imagine que tenhamos que transformar arquivos de 24-bit em arquivos de 16-bit. Para que eles caibam, toda a informação original dos arquivos de 24-bit têm que ser ajustada em espaços de 16-bit.

Isso significa que algo teve que ser deixado para trás. Mas como causar o menor dano possível?

A primeira opção é simplesmente cortar os números para fazê-los caber. Trata-se da aparação, que é a forma menos precisa de resolver o problema.

Ao invés de somente cortar os números, nós podemos tentar arredondá-los para cima ou para baixo para aproximar-nos da representação de um áudio de 24-bit em 16-bit.

Mas o que acontece quando o número que você precisa arredondar está bem no meio? Você pode tentar uma regra prática – digamos que você decida arredondar toda vez que encontra um número bem no meio.

Dessa forma você vai estar certo em algumas das vezes. A desvantagem é que você também vai estar errado algumas vezes com a mesma frequência! Isso é chamado erro de arredondamento.

O ruído (ou variação aleatória) que o dither adiciona faz com que a decisão de arredondar para cima ou para baixo seja basicamente aleatória.

Após usar o dither, a distorção criada pela aparação ou arredondamento tem um efeito muito menos detectável.

Após usar o dither, a distorção criada pela aparação ou arredondamento tem um efeito muito menos detectável.

O auge do dither

Todos esses assuntos de arredondamento e erro podem soar completamente acadêmicos, mas o uso correto do dither pode fazer diferença no seu produto final.

No mínimo, adicionar o dither no ponto correto do seu projeto é a melhor coisa que você pode fazer para otimizar o seu mix com um só clique, mesmo se for somente uma pequena melhora.

Enquanto engenheiro você deve se esforçar para conceber o melhor som possível – e não perder nenhuma oportunidade para fazê-lo melhor.

Agora que você já sabe o caminho certo para o dither, volte para o seu DAW e conceba algumas faixas.

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! <a href="https://www.landr.com/pt/preco/?utm_campaign=acquisition_platform_en_us_studio-generic-new-blog-ad&amp;utm_medium=organic_post&amp;utm_source=blog&amp;utm_content=left-hand-generic-ad&amp;utm_term=general">Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.</a>

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.

Gabriel Valente

Gabriel é um músico apaixonado pelas paisagens sonoras do Brasil. Recém radicado em Montreal, ama pedalar pelas ruas da cidade e acredita na força do som e dos encontros.

@Gabriel Valente

Receba guias de equipamento, dicas de mixagem, os melhores plug-ins gratuitos e muito mais na sua caixa de entrada todas as semanas.

As últimas novidades da LANDR