LANDR BLOG

Inspiração

Luke Rathborne: Encontrando Sucesso Com “Faça Você Mesmo” em Tempos de Streaming

Luke Rathborne: Encontrando Sucesso Com “Faça Você Mesmo” em Tempos de Streaming

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-090-300x214.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-096-731x1024.jpg

Ser músico independente costumava significar “não posso ter contrato” ou “não é bom o suficiente” ou “ninguém vai me ouvir”, mas com o enorme crescimento de transmissão e um monte de ferramentas que permitem que os artistas o façam por conta própria independente tornou-se um emblema de honra – e, mais importante ainda, uma carreira sustentável para criadores de música.

Luke Rathborne é um músico independente por escolha. Por quê? Porque na indústria da música de hoje simplesmente faz sentido …

O compositor do cantor New-York-via-Maine serve um som irresistível que captura os devaneios que flutuam entre o quarto e a garagem. Um jangle polido que permanece na sua cabeça muito depois que os tubos do amplificador esfriaram.

Mas é a carreira como um artista independente que permite Rathborne fazer música humana e orgânica. Não há paredes entre Rathborne e você, o ouvinte. Não há intermediários. Apenas ele e seu som. Sua jornada das bandas Punk e da rádio da faculdade no Maine levou a um corpo de trabalho que manteve uma visão em mente: conseguir sua música na frente de tantas pessoas quanto possível em seus próprios termos e maneiras.

Rathborne fez exatamente isso. Uma combinação de auto-liberação, auto-promoção, autogestão e praticamente todos os outros “auto” que você possa imaginar, deixa Rathborne manter o controle de sua música e preservar o eu por trás do som – Obtendo mais de 10 milhões de streams Spotify ao longo o caminho. São artistas do DIY(Faça você mesmo) como o Rathborne que inspiraram a LANDR Promolinks – uma ferramenta que permite ao artista compartilhar seus links de transmissão em uma página simples.

A imagem presente e futura do músico independente moderno poderia ser verdadeiramente tirada da silhueta de Rathborne. Nós nos sentamos com Rathborne para descobrir como ele fez isso funcionar, por que seu melhor bem é você mesmo, e como um novo modelo para ‘fazer isso’ está emergindo da revolução de transmissão.

Quem é você, de onde você é, e como você começou?

Eu cresci em Maine e toquei em bandas punk desde os 12 anos. Eu tinha acesso a uma estação de rádio local da faculdade e percebi que havia um estúdio de gravação também. Desde lá, eu meio que tive curiosidade por gravar música e queria fazê-la. Eu percebi que, se eu fizesse um programa de rádio, eu me daria acesso para ir no backroom e usar o estúdio de gravação. Eu fiz isso com o primeiro disco que gravei. Levou-me provavelmente 2 anos. Foi assim que fiz meu primeiro disco After Dark.

Depois que eu me graduei da High School, me mudei para Nova York e After Dark foi o disco que comecei minha carreira musical. Desde então, continuei fazendo e gravando o tempo todo, com produtores e às vezes contribuindo para outras produções.

Foi aí que a sua abordagem DIY para a música começou então?

Sim, avanço rápido de tudo isso e, eventualmente comecei uma gravadora chamada True Believers que lançou minha gravação chamada Soft e alguns outros singles. Essa gravação foi muito bem no que chamaria de “a nova plataforma de música:” transmissão e todas aquelas “novas” formas de descobrir e ouvir.

Mas para fazer tudo isso dar certo, também fiz muitas turnês pela Europa e EUA. Quanto mais música eu lançasse, melhores idéias eu teria de como promover, liberar e fazer a turnê de um álbum. Ou apenas saberia como envolver as pessoas e fazê-las ouvirem.

Eu me encontraria com a A&R e as pessoas da gravadora, mas sempre acabou fazendo mais sentido apenas auto-distribuir e auto-liberar. Eu tentei algumas abordagens diferentes e liberei algumas músicas com outras pessoas, mas acho que sempre volto a fazer tudo sozinho no final.

VOCÊ inevitavelmente tem mais tempo para você. Há circunstâncias diferentes que vão e vem, mas, no final, como músico, sempre senti como se eu fosse fazer todas essas coisas para mim mesmo.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-150-1024x731.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-054-731x1024.jpg


“Você vai acabar indo mais longe porque você não precisa confiar em um monte de gente diferente para o que finalmente depende de você no final.”

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-011-731x1024.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-066-731x1024.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-064-731x1024.jpg



Então, você se aproxima da sua música, sabendo que você sempre poderá cuidar melhor de si mesmo se você puder se colocar nessa posição?

Com certeza,o psicológico de apenas confiar em você é muito diferente. Você vai acabar indo mais longe porque você não precisa confiar em um monte de gente diferente para o que finalmente depende de você no final.

O Seu single mais recente foi gravado no Philip Glass ‘Studio. Como foi esse processo e como isso ocorreu?

Trabalhar no Looking Glass aconteceu sem eu planejar. Eu fui ao estúdio enquanto eu tentava arrumar um microfone. O técnico estava no estúdio quando fui ao encontro dele, então acabei trabalhando lá por conta disso.

Foi também assim que acabei trabalhando com os membros da Brooklyn Philharmonic. Eu realmente queria Clarinets em uma faixa. Através dos contatos no estúdio, consegui pedir uma seção de instrumentos de sopro. Eles disseram que “aqui estão todos os tocadores de clarinet da cidade” (risos).

Os músicos com os quais eu consegui me conectar com essa lista eram alguns dos tocadores mais incríveis do mundo. Não apenas os de sopro, acabamos tocando com Julia Kent no violoncelo, Tahrah Cohen na bateria e Maxim Moston no violino. Sessões como essa. Essas pessoas são verdadeiros gênios!

Como você acha que a distribuição DIY abre possibilidades para artistas como você?

Eu acho que a distribuição digital se tornou o método mais importante de colocar sua música na frente de uma audiência.

Distribuir fisicamente um lançamento é importante, mas onde você vai distribuir fisicamente? Não será mais para a Tower Records. Esses dias acabaram. É importante que todos os músicos comecem a ver o digital como o caminho mais importante da distribuição.

Acho que com o LANDR há um estresse com a retenção dos royalties, o que é extremamente importante se você estiver tentando fazer isso por conta própria. Um serviço como esse é fundamental se você estiver fazendo isso sozinho.

Com os serviços de streaming, os artistas começarão a achar que é realmente uma nova paisagem, e que existe uma maneira de rentabilizar sua música.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-047-1024x731.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-070-731x1024.jpg


“Quanto mais música eu lançasse, melhores idéias eu teria de como divulgar, lançar e fazer a turnê de um álbum.”

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-136-1-1024x731.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-063-1024x731.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-023-1024x731.jpg
https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-137-731x1024.jpg





Como você fez plataformas como Spotify funcionar para você? Como você explicaria para um músico que tem o mesmo objetivo?

Uma das razões pela qual eu sempre fiz meus próprios lançamentos e distribuição é que você pode encontrar muita rejeição. Você pode escolher ser definido por essa rejeição. Mas, ao mesmo tempo, sempre há essa voz dentro de mim, dizendo: “Conheço isso profundamente e eu sei que outras pessoas também irão”.

O problema de envolver outras pessoas é que apenas você pode entender essa voz dentro de você. Fazendo isso sozinho, você pode confiar na mentalidade de que vale a pena compartilhar algo de valor.

Eu olho para ele, como se eu estivesse apenas pisando em um tipo de amortecedor ou pessoa do meio que poderia acabar te dizendo que você não pode fazer algo ou que sua arte não é viável.

Ter minha própria gravadora sempre foi sobre confiar na idéia de que a intuição artística tem valor. Entrar em sua música apaixonadamente acreditando em algo que você fez é sempre melhor do que entrar com um monte de prioridades e motivações diferentes. No final, você é o seu melhor bem.

Isso pode finalmente ser tão simples quanto “você tem que fazer música realmente boa”. Isso coloca o foco de volta na importância de criar e fazer música na qual você acredita. Você consegue se concentrar nos fãs e encontrar maneiras de levar sua música para frente das pessoas que se importam. Esse é o seu trabalho mais uma vez!

“No final das contas, você é o seu melhor bem.”

Você acha que o gosto e o boca a boca se tornaram mais importantes então?

O fato de a música ter sido democratizada é muito excitante. Isso é o que eu quero dizer com você sendo seu próprio melhor recurso. Alguém em uma pequena casa de show vai te olhar, e eles vão TE ver. Não é um intermediário que representa você. É muito mais humano.

A democratização agora é sobre boa música ao invés de negócios. É um ótimo momento agora por causa disso. No passado, “negócios” teriam uma prioridade sobre essa verdadeira conexão humana com a música que finalmente conseguimos aproveitar de novo.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-055-1024x731.jpg

Então qual é uma coisa chave que você está tentando fazer você mesmo?

Meu objetivo sempre foi o mesmo: colocar as músicas que estou fazendo na frente da maior quantidade de pessoas possível. Eu sempre me senti como certas músicas, músicas em catálogos antigos que eu olho novamente, quando as escuto é sempre uma coisa saudável. Eu acho que, se as músicas disponíveis podem me ajudar, ter elas disponíveis para a maior quantidade de pessoas possível terá uma chance de ajudar as pessoas também.

É a idéia de sua auto-expressão, fazendo o que você acredita e a oportunidade para outras pessoas responderem a isso. Não é mais um sonho louco pensar que você pode se sustentar nessa conexão. Esse é o sonho final.

Hoje eu posso criar um corpo de trabalho e sei que haverá uma gravação no ano que vem, mas no sentido imediato, posso me concentrar em liberar singles e tocar com a fórmula de colocar eles na frente das pessoas, ajudando a maioria.

Não sei se vem da música punk ou algo assim, mas me dá muita satisfação fazer algo que alguém disse que não poderia fazer. Eu me concentro muito nisso. O streaming é quase o mesmo que a energia que você obtém quando algum local diz que não fará seu show para que você diga “ok, então vamos alugar uma igreja e fazer o show lá”.

Agora, para liberar música, não existe um fazedor de regras que possa dizer onde algo deveria ou não deveria ir. Você pode definir o que quiser.

Esse sempre será a minha essência para melhor ou pior: sem limitações. Inevitavelmente, isso o tornará um verdadeiro artista independente porque é uma mentalidade muito independente. Essa abordagem acabou significando mais para as pessoas. Com a abertura das portas do streaming, você pode fazer dessa mentalidade uma carreira.

Ouça Luke Rathborne no LANDR Promolinks page dele. Siga Luke no Spotify, Instagram no Twitter.

Fotografia de Landon Speers.

https://blog.landr.com/wp-content/uploads/2017/12/LNDR_LUKE-RATH-080-1024x731.jpg
Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! <a href="https://www.landr.com/pt/preco/?utm_campaign=acquisition_platform_en_us_studio-generic-new-blog-ad&amp;utm_medium=organic_post&amp;utm_source=blog&amp;utm_content=left-hand-generic-ad&amp;utm_term=general">Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.</a>

Masterização e distribuição ilimitadas, 1.200 samples livres de royalties, 30+ plug-ins e muito mais! Obtenha tudo o que a LANDR tem a oferecer com o LANDR Studio.

Monique Brandão

Monique é profissional de marketing, ama música, é viciada em redes sociais e mora no Canadá. No seu tempo livre ela gosta de estar com os amigos e em contato com a natureza, especialmente durante o verão. Contribuidora de Conteúdo da LANDR.

@Monique Brandão

Receba guias de equipamento, dicas de mixagem, os melhores plug-ins gratuitos e muito mais na sua caixa de entrada todas as semanas.

As últimas novidades da LANDR